Páginas

sábado, 2 de abril de 2016

Amar

"Quando se aprende a amar, o mundo passa a ser seu", já dizia Renato Russo em "Se Fiquei Esperando o Meu Amor Passar". Mas afinal, porque tanta gente fala de amor, mas nunca se chega a uma conclusão de quando termina a paixão e começa o amor, ou se as duas coisas não podem simplesmente ocupar o mesmo espaço? Ou de quanto tempo é necessário para ter certeza do que se sente?

A resposta é simples: o amor é múltiplo, manifesta-se de diferentes formas para diferentes pessoas. Não há como definir.

Muitos não sabem amar e vivem se declarando por aí na primeira oportunidade. Outros, só dizem quando têm certeza (eu, por exemplo). E como sei que amo? Porque não importa o que aquela pessoa faça. Eu posso mudar meu comportamento em relação a ela, mas não vou deixá-la de amar. É preciso ter muita sensibilidade e discernimento para saber se alguém te ama e saber se você ama o outro. O caso é que o amor é uma estrada de mão única, você não "ama se" ou "ama, mas", você "ama" e pronto, sem esperar! Alguns demoram anos pra descobrir se amam ou não. Outros, talvez apenas em um dia. Alguns são mais emocionais, outros mais racionais. A única certeza que podemos do amor, em geral, é que amor é conexão, empatia,  doar-se.

"Amor é fogo que arde sem se ver"

sexta-feira, 18 de março de 2016

Lança o barco contra o mar

São 4:15 da manhã. Acabei de dar mais um passo certeiro em direção ao meu sonho. Todos aplaudiram, agradeceram e pediram por mais, mais do que tanto fugi em minha vida e agora está sendo o motivo de minha força e esperança. O instinto manda, mas a sociedade nos convence de que seguir nossos sonhos, aquilo que acreditamos, é errado. E aí mora o perigo. Mas nunca é tarde para tomar as rédeas e mandar em sua própria vida. Sempre em frente!

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

Castanhas

Comprei castanhas hoje. É uma das tantas coisas que me fazem lembrar você. A maioria das pessoas sente a dor da perda diminuir com o tempo. Eu devo ser um Benjamin Button no amor: o tempo funciona de maneira invertida pra mim quando se trata de dor de amor. Como lidar com os presentes que me deu sem lembrar de ti? Sem meu coração doer? Como ir aos mesmos lugares que íamos (e ainda vamos), arriscando lhe ver por acaso, como já vi algumas vezes e me divertir sem pensar em beijar sua boca quente e me enfiar em seus braços pra poder sentir o cheiro doce que só você tem... sentir a textura da sua pele inconfundível? Sem olhar em seus olhos e me sentir seguro?

Nenhum amor é perfeito e o seu estava longe de ser, claro. Bom, na verdade estava sim, mas é tão difícil.... Não poderíamos ter uma vida, um relacionamento normal. E você estaria na sua zona de conforto, mas eu não. Como eu poderia abrir mão de tanta coisa se você não abriria mão de nada disso por mim? Não há romance unilateral, onde apenas um se doa, um tem que se adaptar e o outro apenas esperar, com seu longo cabelo de Rapunzel, esperando ser salvo. Não é assim que funciona. No amor, os dois precisam estar dispostos a abrir mão de algumas coisas, pois não haverá ninguém no mundo que seja perfeito, que não exija esforço algum. Então eu comprei castanhas sim, pois preciso viver, independente da lembrança que as castanhas ou qualquer outra coisa possa me trazer.